O "Made in Italy" è no Monferrato

Uma realidade feita de alguns pequenos e grandes artesoes que fazem deste paìs portador de um patrimonio indiscutivel.

Desde os tempos antigos a jóia teve uma função primordial para o homem. A importância e prestígio para quem o-usava era relevante. Não é coincidência que os primeiros objetos que foram criados para esta finalidade foram conchas especiais, peixes e dentes de gatos ou presas de mamutes que eram difíceis para fundir e foram esculpidas e moldadas por cinzéis de sílex. Esses objetos, que datam cerca de 20.000 anos aC foram geralmente criados pelo "lapidador”, que naquele tempo levigava e escolpiva as pedras.

Os egípcios faziam uso extensivo de ouro especialmente durante a quarta dinastia (2500 aC), quando começaram a fundir o metal com fornos movidos a ar. As técnicas de processamento de ouro são desenvolvidos de forma dramática e ao longo dos séculos as técnicas desenvolvidas e, obviamente, mudou os gostos e modas em que os objetos foram criados.

A jóia torna-se assim um símbolo de prestígio e poder até que na Idade Média assume também funções de proteção sobrenaturais. A transição do sagrado ao profano veio no meio do século XV, quando o rei Carlo VII da França apaixonado por uma uma mulher nobre deu-lhe todos os tipos de jóias e diamantes. Assim nasceu a figura e a profissão do joalheiro não dedicado somente à jóias sagradas ou para a realeza, mas também para a nobreza e as classes mais altas.

Valenza, esta piccola cidade de 20 mil habitantes realiza jòias para as marcas mais importantes do mundo. Bulgari, Damiani, Leo Pizzo, Tiffany, Pomellato, Vhernier até H.Stern produz algumas peças aqui nas colinas do Monferrato.

A maioria das pedras preciosas importadas pela Itália para a produção de jóias (estimado em mais de 70%) chegam em Valenza; mais de 65% da produção são destinadas à exportação para mais de 150 países em todo o mundo.

 

Valenza è uma cidade que (quase) passa despercebida,  mas è nesta cidade que são criadas as joias mais prestigiosa do mundo. A qualidade de artesōes que se encontra em Valenza não ha confronto.

Valenza è à 80 km de Milano e conta com mais de 1000 empresas especializadas em comercialização e manufaturação de jòias. Bulgari inaugurou este ano, em Valenza, a maior fabrica da Europa. Uma realidade feita de alguns pequenos e grandes artesōes que fazem desta pequena cidade confirma mais uma vez que a Italia ha um patrimonio humano indiscutivel.

No Monferrato tem talento

O que é o talento?

Um presente inato ou uma inclinação para ser desenvolvida? Uma capacidade determinada por fatores biológicos ou uma atitude natural que pode ser treinada? Existem opiniões divergentes e alguns dizem que vêm da ciência.

O que foi cientificamente reconhecido é que a origem do talento é muitas vezes associada a algumas estruturas geneticamente transmissíveis que podem ser destacadas em uma idade precoce e fornecem uma base para a construção da excelência.

Henri Frédéric Amiel (filosofo, poeta e critico Suíço) disse: “fazer facilmente aquilo que para os outros è dificil, isto è talento.”

Uma das coisas que mais gosto nas minhas descobertas è encontrar pessoas. Pessoas que gostam de compartilhar a propria historia, uma paixão ou somente compartilhar o proprio tempo, coisa rara neste tempos.

 

Pelas colinas do Monferrato, encontro Anna. Anna vive a Frassinello Monferrato, e do seu jardim, todos os dias pode admirar o por do sol das colinas Monferrine. Anna segue uma paixão, a paixão pela Argila. Anna è a prova que o talento è geneticamente transmissível. Seu tio, Leonardo Cusanno, o tio Dino, era um ceramista de muito talento no Monferrato e foi reconhecido (um dos poucos) pela Associação de Excelência dos Artesões da Provincia do Piemonte. 

Hoje o laboratório do tio Dino, è cheio de objetos de Anna, mas a atmosfera è cheia de história, de beleza antiga e de tradiçāo transmitida de pai para filho e neste caso de tio para sobrinha.

Os artesãos na Itália sempre foram os guardiões de uma tradição cheia de sacrifícios, erros e singularidade. Na epoca Medieval, a distinção entre artista e artesão era muito sutil, se realmente existisse. Leonardo Da Vinci dedicava, ao desenhar seus próprios prodígios mecânicos, o mesmo amor e cuidado que ele donava as representações pictóricas e escultóricas.

Quando se compra um produto artesanal, se compra uma pequena fatia de história e tradição, símbolo de um sistema de relações em um intercâmbio contínuo de experiências culturais, sociais e econômicas.

Viaje com um “local” e descubra as belezas escondidas deste territorio.

Descubra a verdadeira Italia: Visite as varias "Sagra" espalhadas pela peninsola.

Se voce està decidindo vir à Italia ainda neste verao, nāo pode deixar de ir à uma “Sagra” e para isto voce tem que fugir das metrópoles italianas e procurar as cidades de provincia.

Mas o que è uma “Sagra”? As famosas “Sagras” (festas, eventos pelas cidades) não é apenas um momento de celebração, despreocupado e participativo. É um evento, uma festa que liberta a parte mais genuína, mas também o mais intimo da tradição de todos os povos em Italia.

Cada cidade celebra uma particular iguaria gastronomica. Tem sagra da cebola, do pimentão, das anchovas, de queijos, do arroz, da batata, do alho, da massa, do vinho, do tartufo, do salame e continua… 

E’ a celebração ao territorio, no querer estar juntos para comemorar as próprias raizes, uma festa exclusiva para descobrir os vários tesouros da Italia. Na primavera começam as Sagras, para depois se multiplicarem no verão atè a chegada do outono e enfim encerrar tudo com a chegada do inverno.

P1050958.JPG
maças Antigas em Odalengo Piccolo - AL - Piemonte

maças Antigas em Odalengo Piccolo - AL - Piemonte

P1060341.JPG
Massa recheada frita - Agnolotti del Plin - pasta tipica piemontese fritos

Massa recheada frita - Agnolotti del Plin - pasta tipica piemontese fritos

Antes de programar uma viagem à Italia informe-se e viva a oportunidade de conhecer melhor as festa que fazem deste pais um verdadeiro patrimonio de historias, pessoas, cultura e sabedoria antiga.
Neste site eventi e sagre se pode ter uma ideia do que te oferece esta terra.

Baci e Abbracci

O azul-turquesa do mar da Liguria

Um território para quem ama a moutainbike, pratica mergulho e escaladas.

A Riviera di Ponente é dividida em "Riviera dei Fiori" e "Riviera delle Palme". 

Na Riviera dei Fiori, que vai da cidade de Ventimiglia à cidade de Cervo, se encontram numerosos vilarejos medievais, ainda perfeitamente intactas, rodeadas pela natureza intocada. A cidade de Savona, rica de história e cultura com suas praias que se estendem por quatro quilômetros, è também uma das principais cidades portuarias para cruzeiros do Mediterrâneo.

A Riviera delle Palme é o trecho da costa da Ligúria, que se estende da cidade de Varazze atè a cidade de Andora. As praias de areia branca dão lugar a trechos curtos da planície contornadas pelos Apeninos.

Do mar azul-turquesa ao mundo subquático, com penhascos brancos, as aldeias de Noli, Bergeggi e Spotorno, se encontram neste Golfo, na Riviera delle Palme; o Golfo dell'Isola. 

Esqueçam, a imagem que temos das praias brasileiras, aquelas extensoes lungas de areia, aqui na Liguria, a areia nao è presente em todas as praias. Mas no Golfo dell'Isola è possivel poder ter este privilėgio. O vilarejo de Noli, praia dos pescadores, rica em peixe e com algumas pequenas enseadas secretas, oferece vista unica. Sao presente muitas falésias, com vista para o mar, um paraíso para os escaladores

A cor do mar do vilarejo chamado Bergeggi é o ponto forte deste trecho: luz verde, azul brilhante, e transparente sob os raios do sol, situado, nas encostas do Monte Sant'Elena com a Ilha Bergeggi, localizada apenas 250 metros da costa. Nesta reserva natural, se pode praticar: mergulho subacqueo e excursoes pelas cavernas ao interno da ilha com a devida autorizaçao. Uma beleza, nao somente paisagistica, mas tambem paleo-etnológico.

No vilarejo seguinte encontra-se Spotorno, constituído por um conjunto de ruas que se cruzam e que a princípio parecem compor uma espécie de labirinto sem saída. Esta conformaçāo de ruas estreitas, na Regiao Ligure sao chamados de "budello". 

Na Riviera Ponente, se esconde tesouros, como, um dos borgos mais bonitos da Itália, chamado, Finalborgo. As impressionantes muralhas que cercam esta aldeia, ainda bem preservadas e visíveis, fazem com que este borgo seja encantador, quase como voltar atras no tempo e viver por um momento o ano medieval desta pequena aldeia.

Mas não sò de encanto se vive, este território è rico e variado de trilhas, caminhadas para todos os gostos com mais de 500 km de caminhos sinuosos, das montanhas para a praia; fazem de Finale Ligure, uma das metas mundiais de ciclismo de montanha.

A Liguria tem um clima privilegiado, e visita-la è possivel o ano inteiro. Mergulhe no Mar Cristalino da Ligúria, aqueça-se nas praias ensolaradas e descubra mais tesouros escondidos desta Regiao.

O Bosque Sagrado!

Lu, estas duas letrinhas sāo o nome desta pequena cidade nas colinas do Monferrato, na regiāo do Piemonte. O nome “ Lu” è a abreviaçāo de Lucus, a palavra em latim, com que os romanos chamavam genericamente os bosques sagrados para os deuses, muitas vezes colocando um pequeno templo-santuário dedicado aos deuses.

Bosques sagrados para os deuses, è o nome merecido, ao pequeno paesino de LU!  Muitos são os bosques que rodeiam Lu. As árvores, consideradas quase sagradas, hoje são os "noccioli" (arvorês de avelās), uma das glórias da pequena cidade é a grande produção de avelãs, chamadas "Tonda Gentile Trilobata". Este tipo de produçāo, tem sido estudado por pesquisadores, alemães, pela tecnologia eficaz usada e o modelo da cultivaçāo.

A avelã é um produto importante do Piemonte, usado em "pasticceria" e em muitas delicias ao chocolate, como os Gianduiotti, chocolatinhos tipicos do Piemonte e na famosa Nutella como o ingrediente principal.

As avelās de LU, estão entre as mais procuradas e valorizadas pela sua alta qualidade. Uma das minhas ultimas descobertas foi, a crema de Nocciola IGP CORILU, realizada exclusivamente com a Avelã IGP do Piemonte, sem qualquer tipo de óleo...è tudo naturalmente buonoooooo e maravilhoso.

IGP è a sigla que significa: Indicação Geográfica Protegida, indica a origem de uma marca, que é fornecido pela União Europeia aos produtos agrícolas e alimentares, onde uma determinada qualidade, reputação ou outra característica, depende da fonte de localização geográfica.

Lu Monferrato sempre teve uma posição geografica muito tàtica no periodo Romano, localizada no monte mais alto do baixo Monferrato em relação à planície de Alessandria -PI, era uma possessão cobiçada pelos vários inimigos que enfrentaram-se por estas terras, muitas vezes causando destruição e miséria.

A torre encontra-se no ponto mais alto do vilarejo, e garante uma vista panoramica de 360 graus pelas colinas do Monferrato.

Em um território onde ainda existe uma população e uma cultura fortemente ligada à actividade agrícola o ritmo da vida segue as estaçoes do ano. A vida aqui è tranquila ao ritmo lento onde na praça central se concentra os serviços basicos: uma trattoria, o banco, o mercadinho, o correio, o bar / cafe e o tabacchi (vem da palavra tabaco, o cigarro), o necessario para uma boa qualidade de vida.

 

Lu está no centro de dois triângulos: 20 quilómetros de Alessandria, Casale Monferrato e Asti e distante de 100 quilômetros de Torino, Milano e Génova.

A "dolce vita"

Qual è o significado da expressao: La dolce vita?

O clima temperado deste pais, a boa vida, a boa cozinha, o bom vinho, a variedade de paisagens naturais, a grande riqueza artistica, a musica, a historia..  fazem com que este paìs seja unico! Lonely Planet (um dos guias de turismo mais serio e famoso no mundo) ha 24 publicaçoes somente sobre a Italia. O Brasil tem 3.. mas o nosso paìs e' uma criança perto dos anos da Italia.

Com 24 publicaçoes sobre a Italia, pode-se entender o quanto este pais tem à oferecer.

Sao muitas as historias que artistas e cantoras famosas do mundo decidiram viver o sonho da “dolce vita”. O cantor Sting è um exemplo, proprietario de 300 hectares na Toscana entre o Chianti e o Valdarno, produz vinho e azeite d’oliva, George Cloney e sua famosa casa no lago de Como, Leonardo di Caprio na Regiao do veneto , Colin Firth em Umbria e assim continua a lista. Mas esta esplendida e cara escolha nao è reservada somente para os “famosos”.

Me apaixonei pela historia da familha de Erik. Uma historia de amor, pela Italia, pela terra, pela sua familha. Da Dinamarca para viver a "dolce vita" aqui, no BELPAESE. A cidade escolhida foi Roccaverano com seus 458 habitantes, localizada na provincia di Asti na Regiao do Piemonte, Erik iniciou a transformar o seu sonho em realidade.

Tudo teve inicio no 2006 quando Erik visitou a casa de um amigo na Liguria. Ele se apaixonou pela casa feita de pedra (aqui è chamada rustico), com a paisagem e sobretudo com o clima. Acostumado com o verão na Dinamarca com 15 graus centígrados… decidiu que era hora de mudança.

A aventura não foi fácil, visitaram tantas casas, lugares, mas nenhuma era aquilo que procuravam. Com dificuldade da lingua e de fazer se compreender finalmente acharam a casa dos sonhos.

Em 2009 a casa estava pronta. Um encontro entre a maravilhosa paisagem das Langhe (Piemonte) com gusto e estilo escandinavo. A casa dos sonhos fica na região das Langhe, em Roccaverano (localizada nas provincia de Cuneo e Asti) e è disponivel para temporadas. Quem gostaria de uma temporada aqui levanta a mao!

Hoje a família alargou este sonho, e esta transformando uma outra casa em algo muito especial, começando pela escolha da sua localização: Lago de Como.

As casa de Erik sao para veraneios e porque nao alugar estas maravilhas para conhecer melhor o territorio?

D.O.P

D.O.P. è um Prêmio dado aos produtos agrícolas e géneros alimentícios cuja fases do processo de produção, são realizados na área geográfica delimitada.

D.O.P. = Denominaçao de Origem Protegida è a Robiola, este queijo feito de leite de cabra nesta pequena cidadezinha chamada Roccaverano.  Com 458 habitantes na provincia di Asti no Piemonte.

Robiola di Roccaverano é o único queijo DOP italiano que pode ser produzido exclusivamente com o leite de cabra, e vaca e de ovelha. No entanto, deve ser presente, pelo menos, 50% de leite de cabra, os restantes 50% pode ser leite de ovelha ou leite de vaca. É um queijo fresco, e a maturação depende da microflora leitosa presente no leite exclusivamente transformado em bruto, sem a adição de fermentos.

D.O.P. è um Prêmio dado aos produtos agrícolas e géneros alimentícios cuja fases do processo de produção, são realizados na área geográfica delimitada e cujo processo de produção é em relação a uma especificação do produto. Estas características são essenciais ou exclusivamente, ao meio geográfico, incluindo os factores naturais e humanos.

Roccaverano è uma aldeia no territorio do monferrato, a mais representativa, a mais extensa, o que justifica a essência de montanha de todo o território. Isolado na grande colina, rodeado pelo claustro de torres que têm por séculos sua defesa, imersos em uma paisagem de bosques e terraços, fazendas e pastagens. Roccaverano é envolto em uma dimensão mística acima do tempo e do espaço.

Cada casa, cada porta, cada imagem pintada ou esculpida de suas igrejas transborda história, fatos e acontecimentos dos séculos passados.

Na igreja de San Giovanni Battista, se tem a prova disto; com uma fachada do século XIX, o edifício manteve algumas características românicas. Parece que a primeira construção já existia antes de 1200, talvez em torno do ano 1000. Mas a a verdadeira beleza è no seu interior, afrescos, cheio de detalhes e cores impressionantes presente nas vegetações e tecidos de damasco, que vestem os personagens e algumas configurações. 

Mas nao se abandona esta a pequena cidade de Roccaverano, sem saborear os pratos da senhora Giselda. Na Osteria Bramante voce se sente em casa, com pratos tipicos, do Piemonte; carne crua, o vitello tonnato e  gnocchi con o queijo robiola, faz com que Roccaverano seja per sempre.

 
A Grappa no Monferrato

Visitar uma destilaria è entregar-se à um dos nossos 5 sentidos mais primordiais, o olfato. O olfato é o mais evanescente dos sentidos, e que tem menos ligações com a realidade da vida cotidiana, mas è aquele que nos faz memorizar momentos, pessoas, lugares. A visita de um territorio rico de historias, perfumes è o lugar melhor para despertar o nosso olfato.

Gli uomini potevano chiudere gli occhi davanti alla grandezza, davanti all’orrore, davanti alla bellezza, e turarsi le orecchie davanti a melodie o a parole seducenti. Ma non potevano sottrarsi al profumo…». Così Patrick Süskind nel romanzo “Il profumo”.

E foi aqui na destilaria Mazzetti d’Altavilla, no Monferrato que eu me entreguei neste percurso de aromas e perfumes desta bebida chamada Grappa, exclusivamente italiana. A Grappa é um destilado de uva exclusivamente cultivada na Itália. O bagaço, ou seja, as sementes e peles das uvas obtidas pelo processo de vinificação, è o protagonista desta bebida.

O bagaço è o transportador de sabor, cor e aroma e deve provir exclusivamente de uvas colhidas e vinificadas na Itália para poder se chamar Grappa. Qualquer outro destilado de bagaço não-italiano é excluído da denominação Grappa, embora produzido dentro das fronteiras do Estado.  

A Itália é o berço ideal para a planta da videira, graças ao seu clima ameno. Situada no Mar Mediterrâneo como um enorme jardim, Itália, oferece uma incrível variedade de gostos e sabores. E’ aqui que tudo teve origem. A grappa è única no mundo pelo seu carácter e origem. Parece que já no século XIV ou XV, ou talvez mesmo antes, se deu inicio ao destilar do bagaço de uva e è o único destilado no mundo produzido a partir da destilação de uma matéria-prima sólida: o bagaço. O bagaço que entra na destilaria são essencialmente de dois tipos: fermentado e não fermentado (virgem). O primeiro contém uma percentagem de álcool, porque eles são fermentados com o mosto de uva, os últimos são quase sempre branco e, com raras exceções, não fermentam com o mosto do vinho.

O destilador é o diretor de orquestra da destilação. Ele decide o estilo de Grappa, conhecendo perfeitamente a sua ferramenta de trabalho ou seja o alambique e o bagaço, è ele que coordena a harmonia geral de todas as partes da sua sinfonia.

Alambique, bagaço e o Destilador è o trío que dà forma ao gosto de cada Grappa, è a assinatura que permite que cada Grappa seja diferente uma da outra.

Mazzetti d’Altavilla nasce em 1846 em Altavilla Monferrato, neste ano 2016 festeja 170 anos de produção ininterrupta. Um dos motivos da excelência da destilaria Mazzetti d’Altavilla è que usa somente uvas do proprio territorio, o Monferrato è reconhecido desde 2014 como Patrimônio da Unesco. A frescura e o bom estado de conservação do bagaço são essenciais, e qualquer deterioração seria inevitavelmente reflectir-se no produto final.

La destilaria Mazzetti d'Altavilla acaba de lançar a chamada Grappa 7.0. para celebrar a entrada da setima geraçao da familha nesta profissao, tramandata de pai para filho.  Grappa 7.0 è rica de notas perfumada de Rosa e Violeta, è portadora de historia, de um lugar unico e de colinas magicas, è a expressao glamour e rara de uva Ruche envelhecida.

O nome 7.0 ou sete ponto zero, comunica tambèm os 7 municípios Castagnole MonferratoMontemagno, Grana, Portacomaro, Refrancore, Scurzolengo e Viarigi onde amadurecem as uvas Ruche, utilizadas na produção desta grappa.

Como nao amar-la?

Enotria Tellus, era chamada assim pelos gregos, a Italia

Os gregos antigos chamavam a Itália, Enotria Tellus, que significa "terra das vinhas sustentada por estacas".

Na Itália, a videira é cultivada em todos os lugares; É presente em cada região e cada um delas possui variedades de uvas nativas (autoctone), muitas vezes esquecidas ou subestimadas. Cada região na Italia produz vinhos, praticamente desde sempre. Ver estas vastas extensões de vinhas, se apreende o nome pelo qual os gregos antigos a-chamavam: ENOTRIA TELLUS.

O vinho era visto como um recurso essencial para a sobrevivência das pessoas, por muitos séculos, o vinho na Itália foi considerado um alimento real, portanto, mais vinho produzido, melhor!

A uva Barbera se espalhou no Piemonte e em várias regiões da Itália central. A Barbera tradicionalmente indicada no genere feminino (Barbera) é a uva menos antiga das outras uvas cultivadas no Piemonte, como a uva Moscati, Grignolino e Nebbiolo. É uma videira cujo cultivo tem sido bastante expandido ao longo dos anos e hoje é a videira mais difundida do tipo vermelha na região. 

Na aldeia de Mombaruzzo, na provincia da cidade de Asti, distante a 40 minutos da cidade de Alessandria, se encontra o maior cultivo do vinhedo da Barbera, 70 hectares de propriedade da empresa agrícola Pico Maccario, chamada a Rosa dos Vinhos. A rosa se tornou a marca desta empresa, mas è  também presente nos vinhedos com dupla função, para indicar o ponto de cada linha da videira e proteger das doenças que poderiam afetar as vinhas.

Em uma "pirâmide de qualidade", onde o ápice representa o nível mais alto de qualidade. As categorias, a partir do nível mais baixo de qualidade até o mais alto, são definidos da seguinte forma:

  • Vino da Tavola (vinho da mesa)

  • IGT (Indicazione Geografica Tipica)

  • DOC (Denominazione di Origine Controllata)

  • DOCG (Denominazione di Origine Controllata e Garantita)

Algumas denominaçoes também estabelecem tipo adicionais, atribuídos aos vinhos que possuem características especiais de produção e que são indicados no rótulo com os seguintes termos: 

  • Clássico - indica um vinho produzido na área mais típica e conhecida da denominação que a-pertence.

  • Superior - é um vinho com um teor de álcool maior do que os requisitos mínimos da denominação, por exemplo EPICO Barbera dAsti Superiore DOCG -Pico Maccario

  • Reserve - é um vinho que passou por um processo mais longo envelhecimento do que os estabelecidos nos requisitos mínimos denominação.

  • A categoria IGT (IGT) define áreas de produção bastante grande, na maioria dos casos uma região inteira, e permite a produção de vinho com uvas autorizadas e recomendadas na área, que muitas vezes inclui uma ampla seleção, deixando o produtor, uma maior liberdade de produção. Esta categoria, enquanto que representa o primeiro nível de qualidade reconhecido por lei, na verdade, inclui uma quantidade significativa de vinhos de alta qualidade e não tem escassez de surpresas agradáveis. A categoria DOC (denominação de Origem) define uma área, geralmente mais estreita do que um IGT, tendo critérios mais rígidas de produção em comparação com a categoria anterior.

  • DOCG (Denominação de Origem Controlada e Garantida) localizado no nível mais alto do sistema, define áreas de produção com critérios de produção muito limitada e avaliação mais rígida em relação a todos os outros. Garrafas de vinho que pertencem a esta categoria devem ser marcados, a fim de assegurar o conteúdo do frasco e para evitar a contrafacção, com selos são numerados e emitido pelo estado italiano indicando também o nome de appartenenza 

    E nestas verdes colinas não somente de gosto e sabor se vive, mas também de bem estar fisico. A destilaria Berta, produz grappa desde 1866, restaurou a residência de Villa Castelletto do século XVIII e fez renascer não apenas o hotel, bem como um centro de bem-estar extra-luxo dedicado a "terapia de grappa".

Em cavernas subterrâneas, se pode desfrutar de aromaterapia, enriquecida pelos aromas de óleos essenciais, especiarias e aromas destilados da casa Berta. Todo este bem estar se encontra no meio de um parque de oito hectares que funciona também como rota didática do territorio dando ênfase ao valor e o compromisso que a Famíla Berta tem com o territorio. Do parque se pode admirar a paisagem chegando atè os Alpes.

 
 
Scusate 5 minuti, pausa Caffè!

O International Coffee Day festeja-se no dia 1 de outubro e o primeiro ano que se comemorou esta data foi na manifestaçao EXPO em Milano no 2015. Coisa recente.
Este grao tao amado pelos italianos, no ano de 2016 foi consumido mais de 47 milhões de quilos (fonte: FIPE - Federazione Italiana Pubblici Esercizi). O italiano adora tomar cafè, e todas desculpas sao boas para dar uma paradinha em um bar.

Pausa

Na porta de uma loja, è muito comum encontrar um recadinho :-) para pausa cafè.

A lista de escolhas è realmente longa, mas quem somos nòs para julgarmos nao? e se è bom porque nao experimentar? Segue algumas das 20 escolhas de cafè que voce poderà encontrar por aqui:

  • caffè

  • caffè corto (cafe curto)

  • caffè lungo (cafè alongado con agua)

  • caffè marocchino (cafe con espuma de leite e chocolate em pò)

  • caffè macchiato caldo(quente) (cafe com pingo de leite quente e a tradução da palavra macchiato è manchado)

  • caffè macchiato freddo (frio) (cafe com pingo de leite frio)

  • caffè con latte (cafè com leite)

  • caffè con latte a parte (freddo e caldo)

  • caffè schiumato (con la schiuma del latte) (cafe con espuma do leite)

  • caffè lungo in tazza (xicara) grande (cafe alongado com agua e servido em xicara grande)

  • caffè corretto (cafe com grapa (destilado)

  • caffe deca/decaffeinato (cafe decafeinado)

  • caffè d’orzo in tazza (xicara) piccola, in tazza grande.. (cafe de cevada)

  • caffè d'orzo con l’acqua calda (quente) a parte ( cafe

  • caffè freddo (cafe frio)

  • caffè shakerato (cafe batido) com gelo... minha paixao

...e ainda todos as escolhas de "cappuccini"

  • cappuccino scuro

  • cappuccino chiaro

  • cappuccino deca

  • cappuccino con caffè freddo e latte freddo…

foto- unsplash

foto- unsplash

Mas se voce quiser beber o cafè, aquele mais parecido com o do Brasil, peça sempre o cafè americano.

Vivo na Italia hà mais de 20 anos e pra mim o cafe è coisa seria. Adoro tomar um bom cafe, que seja em casa ou em uma cafeteria o momento deve ser vivido. Tomar cafè, na Italia, è diferente, acreditem-me! 
Se voce estiver na Italia, nao deixe de tomar o cafe da manha em uma cafeteria entra as 8.30 e 9.30, è um espetaculo ouvir os pedidos de cafes mais variados. Mas nao se esqueça de estudar antes o menu acima indicato com os varios tipos de cafes possiveis. Nesta hora o barman dificilmente tem tempo para te poder conselhar.
E’ um habito muito italiano, a “colazione” se toma na cafeteria, è come se fosse uma extensao da propria casa.
E' uma experiencia muito "made in Italy".

Take your time with a good coffee.

Tanto di Cappello no Monferrato

Nos anos 20 quando as pessoas se encontravam, como bom costume de educaçao, o homem levantava o chapéu da cabeça, em um gesto de respeito com a outra pessoa na sua frente. Com o passar dos anos a moda e os costumes mudaram e este comportamento de levantar o chapèu da cabeça transformou-se desnecessario e o acessório deixou de ser tao presente na moda quotidiana.

Na Italia este bom costume se transformou em uma "expressão falada" de admiraçao entre as pessoas. O chapèu sendo um simbolo de respeito e elegancia por muitos anos se transformou parte integrante no modo de ser e de expremir-se do italiano. Estas duas palavras "tanto di cappello" è uma expressāo usada no cotidiano para manifestar admiraçao à um comportamento ou açāo

Alguns exemplos para conhecer em que modo se pode usar esta expresāo:

"-Sono riuscito ad avere un nuovo lavoro grazie alla mia esperienza all’estero.

-Tanto di Cappello! che bella soddisfazione!"

"-Ho cucinato per 20 persone

-Tanto di cappello! Era tutto squisito"

O Chapèu foi um acessório muito importante na vida do Europeu. Era e è simbolo de elegância e de classe. Na cidade onde vivo, Alessandria, nasceu a marca de chapeù mais importante da Italia e do mundo: Borsalino.

Borsalino è a Ferrari do chapéuGiuseppe Borsalino nasceu em Pecetto de Valenza, nas colinas de Monferrato, 15 de setembro de 1834. Extraordinariamente inteligente, mas pobre para estudos, abandonou a família com 13 anos para ir em Alessandria nas proximidades, onde trabalhou por cerca de quatro anos, como chapeleiro aprendiz. Depois partiu pra Paris e por 7 anos tornou-se maestro qualificado na realização de chapéu.

Em 1857 Giuseppe Borsalino e o irmão Lázaro dao vida à lenda do chapéu: começa assim a produção dos chapéus Borsalino para viajar o mundo  ao longo da história. A fábrica de chapéus no inicio do século atingiu o nível considerável de 750.000 peças por ano, e mais de dois milhões na véspera da Primeira Guerra Mundial.

Na cidade de Alessandria, a Fabrica chegou empregar mais de 2.500 empregados e hoje abriga a Universidade de Alessandria e o museo do chapèu Borsalino. Ainda hoje na rua principal da cidade de Alessandria se encontra a loja historica desde 1857.

Se vc è um apaixonado de chapeù como eu, nao deixe de comprar-lo. Hà um valor inestimavel.